Conceitos Musicais

Qualidades do Som


A) altura: determina o som ser grave ou agudo, de acordo com algum parâmetro estabelecido. Quanto mais vibrações por segundo são emitidas mais agudo é o som produzido. Assim, frequências altas se relacionam com sons agudos e frequências baixas com sons graves.

No violão, as notas graves, médias e agudas são obtidas de acordo com o lugar em que o som é emitido. Instrumentos de corda têm como uma de suas características produzir notas de mesma frequência em lugares distintos. Podemos encontrar a mesma nota, de frequência igual, em outros lugares no braço do violão.


B) 
intensidade: determina o som ser forte ou fraco, de acordo com a amplitude da onda sonora; como a duração das oscilações não varia com a mudança de amplitude, podemos emitir um som fraco ou forte sem mudar sua altura.
No violão, a força empregada para a obtenção do som pode ser controlada com a maneira como o som é produzido. Algumas pessoas têm, naturalmente, mais força do que outras. Repertórios específicos podem exigir um bom controle na força com que as notas são tocadas por parte do instrumentista.
C) timbre: depende da maneira como são apresentados e associados os sons harmônicos. De maneira simples, o timbre, é o que distingue a voz de uma pessoa de outra, mesmo quando essas falam em igual altura e intensidade.
Além das características próprias de cada instrumento e da qualidade dos componentes empregados em sua construção, existem muitas formas de alterar o timbre do violão. Naturalmente, instrumentos elétricos possuem uma gama maior de possibilidades nesse aspecto. O uso de pedais de efeito ou de amplificadores pode mudar bastante o timbre dos violões.

D) duração: tempo em que a produção sonora é manifestada (longa ou curta). Sons ordenados de diversas maneiras formam o que chamamos de música. A música composta por sons e silêncios é caracterizada pela melodia, pelo ritmo e pela harmonia, observando, entretanto, seu caráter também histórico e estético.
Alguns instrumentos, devido à qualidade de seus componentes, têm maior condição de produzir sons longos, sem que haja uma diminuição significativa do volume. Uma música é constituída por vários aspectos. O músico deve observar aqueles que vão além das qualidades do som. O conhecimento do estilo da música, a forma e o contexto histórico em que ela foi composta podem auxiliar na execução ao violão.


Melodia:  relação entre notas sucessivas
Ritmo:  pulsação musical 
Harmonia: relação entre notas simultâneas

A música pode ser também vocal, instrumental e mista.
O violão pode executar tanto notas isoladas como notas simultâneas. Essa característica possibilita que o instrumento seja empregado de diversas maneiras em grupos ou como solista. 

Transmissão do Som

O som é transmitido através de ondas sonoras, que se difundem em todas as direções. Quando essas ondas encontram obstáculos, são refletidas, desviando-se da direção primitiva (fenômeno da reflexão). Ecos e ressonâncias são produtos comuns da reflexão, que devem ser observados na disposição de amplificadores, instrumentos e músicos em shows, ensaios e gravações.

Série Harmônica

Ao produzirmos um som, este não aparece isolado. O som principal ou fundamental é acompanhado de uma série de outros cada vez menos perceptíveis, chamados sons secundários ou harmônicos; na escala maior natural, figuram coordenados os intervalos mais simples que o fenômeno da série harmônica apresenta. É necessário, no entanto, observar que estas notas foram ajustadas de forma a simplificar a construção de instrumentos e facilitar a prática musical. Esse ajuste recebeu o nome de temperamento (escala temperada) e consistiu na divisão mecânica da oitava em doze semitons iguais. A adaptação ocidental à música temperada faz com que estranhemos as músicas de outras procedências (principalmente a música oriental). Essa “falta de temperamento” também acontece com algumas melodias nordestinas ou fraseados típicos do “blues”. Desta maneira, a noção de afinação é um conceito com ligações estéticas e culturais.

Escrita Musical


A leitura musical é uma importante ferramenta para a comunicação entre os músicos. Foi desenvolvida durante séculos, principalmente na Europa. A prática é a melhor saída para dominar a leitura e a escrita musical. Essa prática pode ser feita por meio de métodos destinados especificamente a esse assunto ou pelo hábito da leitura de peças escritas. Muitos músicos desconhecem ou têm pouca prática nesse assunto, e o conhecimento por meio da oralidade também é importante para o desenvolvimento do aprendizado. Outras culturas possuem maneiras diferentes de comunicação e grafia musical, principalmente no Oriente (Índia, Japão e China) que tem pouco contato com o Ocidente, mas que podem ser bem interessantes.