Metrônomo Como Usar

No Tempo Certo





Utilizado para determinar o andamento de uma música, o metrônomo é um recurso importantíssimo nos estudos do baixista que não quer atravessar o ritmo 
Definido pelo dicionário Aurélio como “instrumento que serve para regular os andamentos musicais”, o metrônomo produz pulsos de duração regular e exata conforme parâmetros de velocidade e dinâmica estabelecidos por seu usuário. Pode ser considerado uma espécie de relógio usado por cantores, compositores, maestros, arranjadores e instrumentistas para determinar a velocidade de uma música ou de parte dela, a ser seguida por todos que devem executá-la. Além disso, quando a composição não possui marcação rígida (tempo rubato), o aparelho serve para delimitar uma pulsação em torno da qual as variações são realizadas.
Os valores estipulados pelo metrônomo indicam o número de batidas por minuto (bpm). A quase totalidade dos aparelhos, ao menos os mais tradicionais, faz marcações entre 40 e 240 bpm. Costuma-se subdividir este espectro em diversas faixas, chamadas de andamentos musicais (veja quadro). Escritos em italiano, eram usados originalmente para definir o caráter da obra, o que determinava sua velocidade. O andante, por exemplo, corresponde à velocidade dos passos de uma pessoa.
Afinal, qual a importância do metrônomo? Quando o músico está preocupado com a parte técnica da execução, muitas vezes não consegue manter a constância das pulsações, ou seja, os tempos que interpreta não são isócronos. O uso desse aparelho, portanto, auxilia o estudante a vencer tais dificuldades, mantendo o andamento correto. Isso também doutrina o instrumentista a manter sua performance precisa independentemente de fatores externos, dando segurança aqueles que o acompanham. 
Outro aspecto importante está relacionado ao trabalho em estúdio. É comum a existência de problemas com baixistas que não conseguem seguir a pulsação, dificultando o encaixe de suas linhas com o restante do arranjo. Além disso, a maioria das gravações e shows com playback, samplers ou grooves eletrônicos — é feita com o uso do click (som de metrônomo produzido pelo software multipista), de acordo com a batida selecionada pelo produtor ou pela banda. 

Trocando em miúdos, se você não consegue tocar sincronizado com metrônomo, pode dar adeus à carreira de sideman. E, muito provavelmente, quando a banda em que está se tornar mais profissional, seus companheiros vão preferir trocá-lo por outro músico que saiba trabalhar com o aparelho. Ademais, suas performances-solo também ficarão longe do esperado, pois o tempo oscilará, deixando a música sem pegada. 


História do Metrônomo


o primeiro modelo de metrônomo foi criado em 1812 pelo relojoeiro holandês Dietrich Nikolaus Winkel. Quatro anos depois, o austríaco Johann Malzer baseou-se no produto criado por ele, fez diversas modificações e o patenteou. De acordo com historiadores, o primeiro compositor que se tem notícia a utilizá-lo para aferir a rítmica de suas canções foi Ludwig Van Beethoven, amigo de Malzer, em 1817. Curiosamente, estudiosos modernos defendem que o músico erudito alemão escreveu tempos aceleradíssimos nas partituras de algumas obras porque usou um aparelho sem muita precisão. 
Os primeiros tipos de metrônomos 
foram mecânicos, movidos a corda, com estrutura semelhante à de um relógio despertador. Neles, o pulso é ditado por um pêndulo, formado por uma 
haste metálica e um peso deslizante, cuja posição em relação ao eixo que o sustenta determina a velocidade de oscilação: quanto mais para baixo, o período é mais rápido e vice-versa. 
Marcado por um som de dique, cada balanço corresponde a um tempo de um compasso. Costumeiramente, o aparelho também contém notações relativas aos bpms e aos principais andamentos musicais. 
Nas Ultimas três décadas, em virtude do desenvolvimento tecnológico do mercado de instrumentos musicais, começaram a ser fabricados metrônomos eletrônicos, que atualmente compõem a maioria dos modelos existentes no mercado. Neste tipo, luzes e sons são responsáveis pela marcação dos tempos, enquanto sua regulagem é realizada por cristais de quartzo, como nos relógios de pulso. As pulsações são reguladas por botões ou dials. 
Atualmente, as lojas oferecem aparelhos de todo tipo, desde os mais tradicionais a espécies com vozes digitalizadas para auxiliar na contagem e opções de ajustes para tempos fortes e fracos além de marcação de subgrupos rítmicos dentro de compassos compostos (por exemplo, 12/8, 6/4 e 9/16). Os formatos também variam: podem ser de bolso, 
elétricos, digitais, virtuais etc. Os metrônomos podem ainda estar inseridos em outros equipamentos, como afinadores, programas de gravação.

ANDAMENTOS MUSICAIS 


Embora seja utilizada na música oriental, especialmente no gênero erudito, a definição dos valores relativos aos andamentos musicais não é totalmente exata. Seus tempos são estabelecidos de forma aproximada, ou seja, pode haver mais de um significado para a mesma categoria, conforme o estilo, a música, o compositor e o intérprete. Em seu consagrado livro Teoria da Música”, o theco Bohumil Med utiliza a seguinte tabela de referencia: