Treinando o Ritmo Com o Uso do Metrônomo

O pizzicato é uma das técnicas mais difíceis para o baixista tocar de maneira sincronizada com o metrônomo. O motivo é que o movimento alternadamente realizado pelos dedos indicador e médio, e por vezes também o anelar exige muita resistência física: são normais situações em que, por cansaço muscular, o instrumentista atrasa o andamento no meio de uma música, por exemplo.

Treinando O Pizzicato 


Alunos mais inexperientes tendem a estudar “correndo atrás” do metrônomo, o que é errado. Na verdade, a pulsação deve ser determinada com um valor que permita tocar de maneira relaxada e precisa. Também é indispensável começar o treinamento utilizando o mínimo possível de notas por batida, de modo a se obter mais precisão. 

Outra dica importante é saber qual dedo da mão direita deve tocar cada corda. 


Após a fase inicial de adaptação à prática do pizzicato com o auxílio do metrônomo, passa-se a levar em consideração outros fatores. O primeiro deles é a acentuação. Faça os exercícios em várias fórmulas de compasso, reforçando sempre o tempo forte sugerido pelo aparelho. O próximo passo é tocá-los à exaustão, enfatizando a cada vez uma determinada nota dos grupos transcritos nas partituras ao lado, visando aprimorar a fluência e a independência da interpretação.


Toque o contrabaixo usando os 3 dedos, leia o artigo