Baixista do Queen - Análise do Baixo

Análise do baixo nas Músicas do Queen



Nesse análise, será mostrado exemplos do estilo das linhas de John Deacon baixista da banda Queen, algumas vezes servindo com a tarefa da condução, e por outras dando um colorido especial às músicas. Mesmo com uma postura mais discreta, sempre muito criativo, mostrou-se fiel à sua concepção de contrabaixo dentro do grupo, com muita regularidade desde o primeiro álbum até o último lançamento. Podemos notar, nos trechos a seguir, que o baixista usava diversos recursos harmônicos e rítmicos nas composições. Foi também o responsável por vários sucessos da banda, não se limitando apenas ao papel convencional de um baixista. Os exemplos transcritos mostram um pouco das várias fases do grupo e como o baixista John Deacon se mantinha sempre coeso e funcional à concepção musical do quarteto. 


Breakthru



A música “Breakthru’ pertencente ao álbum The Miracle, se encontra na tonalidade de Ré menor. O trecho aqui transcrito mostra o baixista executando um pequeno solo. John Deacon inicia sua linha tocando a terça e depois executa uma pequena convenção utilizando sétima, tônica e terça, três vezes. Segue então para a 4ª Maior (Sol), que mantém durante um compasso, colocando apenas na última nota a terça que inicia uma convenção, dessa vez com tônica, sétima e terça e em seguida tônica, sétima e tônica. Quanto à parte rítmica, o trecho não apresenta maiores dificuldades, pois é composto basicamente de colcheias. A única observação é quanto à utilização de síncopas (alteração do tempo forte para o fraco) no inicio dos compassos 2, 3, 5 e nas convenções dos compassos 3 e 5. 


Radio Ga Ga 



Um dos maiores sucessos do grupo e pertencente ao álbum The Works, “Radio Ga Ga” se encontra na tonalidade de Fá Maior. No exemplo, note que o inicio dos quatro compassos, sempre utilizando tônica e sua oitava, segue a mesma linha, sendo alterada somente suas finalizações. No primeiro compasso, o baixista utiliza quinta e sexta; no segundo, quinta e tônica, no terceiro há uma alteração na quinta; tornando-a diminuta, com a finalidade de gerar tensão, e então novamente é tocada a tônica oitavada. No último compasso, segue o mesmo principio, com tônicas e oitavas e finalizando na sexta (Ré). A grande dificuldade desse é a rítmica e os saltos de cordas que possui. Comece executando lentamente e não esqueça de obedecer às pausas, por mais sutis que pareçam ser, pois são de grande propriedade ao tema, 


The Millionaire Waltz 


Nesse exemplo estão transcritos nove compassos da música “The Millionaire Watz” do álbum A Day At Tire Races. O trecho escolhido está na tonalidade de Fá Maior e perceba que nos dois compassos que iniciam o exemplo, o baixista utiliza basicamente notas da tríade, com exceção da inclusão da sexta maior. Nos compassos 3, 4 e 5, são utilizadas somente as notas da tríade, primeiro em Sol menor, depois em Fá Maior e por fim em Dó Maior. No compasso 6, temos uma mínima pontuada cobrindo toda sua duração, pois a fórmula está em 3/4 em todo o trecho. Já no compasso 7, temos novamente o uso da tríade, só que dessa vez, usada de forma descendente. Nos dois últimos compassos, o baixista executa uma nota por tempo, sendo elas Dó, Ré e Mi bemol (sétimo grau alterado) e finaliza em Si bemol, quarto grau da tonalidade. 

My Fairy King 



Aqui a música exemplificada é “My Fairy King”, do disco homônimo e primeiro da carreira do grupo Queen. Com centro tonal em Sol Maior, esse trecho tem toda sua concepção sobre o quinto grau da escala, Ré Maior com sétima menor, ou seja, modo mixolídio. No primeiro compasso, é utilizada basicamente a nota fundamental (Ré), com exceção do último tempo que possui quinta e quarta justas. No segundo compasso, o baixista continua utilizando Ré, só que dessa vez, há uma pequena modulação em sua terça, tornando-a menor, dando uma sonoridade interessante ao trecho. Quanto à parte rítmica, são utilizadas somente variações de colcheias e semicolcheias.