Escalas de Baixo

Escalas Musicais



Escalas de Baixo



Se pedirmos, à praticamente qualquer pessoa, para repetir a escala musical, as chances são de que 11 em cada 10 indivíduos dirá: dó, ré, mi, fá, sol, lá, si, dó (ou C, D, E, F, G, A, B, C - lembra da lição I ?). Esta noção, embora possa ser útil para se iniciar um processo de aprendizagem de teoria musical é, ao mesmo tempo, uma crença da qual devemos nos afastar com a máxima urgência. Existem, na verdade, inúmeras escalas musicais, das quais pelo menos dois tipos básicos devem ser familiares àqueles que pretendem fazer alguma coisa "decente". Não pretendemos, nem vamos, esgotar aqui o assunto de escalas musicais, uma vez que o número de escalas possíveis de serem construídas no braço do instrumento é praticamente ilimitado, vamos apenas, como já mencionado, abordar os dois grandes tipos de escalas, a partir das quais na verdade se derivam todas as demais 
Podemos, em principio, dizer que as escalas podem ser maiores ou menores. A escala acima mencionada é a de Dó Maior (ou simplesmente de C). Note que a mesma não apresenta qualquer nota "sustenida" (#) ou "bemolizada" (b) e, por isto, é considerada uma escala sem acidentes. 
Em qualquer escala pode-se sempre identificar as notas por uma seqüência numerada (ou graus), normalmente em algarismos romanos, como abaixo discriminado para a escala de C:


I     II      III     IV     V      VI     VII     VIII
C    D      E      F     G       A      B        C



Assim, a primeira nota (ou grau) da escala de C é o próprio C, a segunda é D, a terceira é E, e assim sucessivamente até a oitava que, obviamente, é novamente o próprio C. A nota correspondente ao I grau é também denominada de tônica (a que dá o tom, é claro). Observe o intervalo (ou distância) que separa cada uma destas notas. Da primeira (I), que é C, para a segunda (II), que é D, este intervalo é de 1 tom. Da segunda (II) para a terceira (III) que é E, esta distancia é também de 1 tom. Lembre-se, como visto na lição I, que 1 tom equivale a 2 trastes no braço da guitarra. Nesta escala a distancia só não é de 1 tom da III para a IV nota (de E para F), bem como da VII para a VIII nota (de B para C), nas quais esta distancia é de 1/2 tom ou, 1 traste no braço da guitarra. Se precisar volte e dê uma olhada na lição I. Reveja com especial atenção a questão dos intervalos entre as notas.
Em resumo as notas na escala de dó maior (C), e os intervalos que as separam, são as seguintes:


C tom D tom E semitom F tom G tom A tom B semitom C.


Neste momento o mais importante nisto tudo não são as notas desta escala de dó maior, que muito provavelmente você já conhece a bastante tempo, mas sim os intervalos que as separam. Porque? Muito simples: as distancias que separam as notas nas escalas maiores são sempre as mesmas. Com esta informação, juntamente com aquelas constantes da lição I, você deve então estar apto à construir qualquer escala maior. Como veremos mais adiante, o conhecimento de escalas é fundamental para o processo de solo e improvisação, isto para não falar na formação de acordes. 
Pode-se, então, generalizar que a seqüência de notas numa escala maior, qualquer que seja ela, é sempre a seguinte:


I tom II tom III semitom IV tom V tom VI tom VII semitom VIII



Para chegarmos às escalas menores é inicialmente importante mencionar que estas são sempre derivadas do VI grau de uma escala maior. Como o VI grau da escala de C é A, então a escala de Am (lá menor) é a seguinte:




I     II      III     IV     V      VI     VII     VIII
A    B      C     D      E       F      G       A


Existem várias coisas importantes à se observar nestas duas escalas (C e Am). Calma, tudo isto tem uma grande aplicação prática, sim. Mas, vamos primeiro passar pelos aspectos teóricos (pelo menos 2 deles). Observe primeiro que a escala de Am é também uma escala sem acidentes, ou seja, sem sustenidos ou bemóis. Ela é na verdade uma seqüência da escala de C, ou seja:


                                      (-------------Escala de Am---------------)
C    D    E    F    G    A    B    C    D    E    F    G    A
(--------------Escala de C---------------)



Por isto a escala de Am é considerada a relativa de C. Isto, do ponto de vista prático, significa que improvisações e solos podem ser feitos indiscriminadamente em qualquer uma das 2 escalas (veremos os desenhos ou formas destas escalas no braço Do baixo na lição III). Ou seja, se você estiver tocando uma música em C, pode improvisar em qualquer uma das duas escalas, ou seja, na de C ou na de Am sem qualquer problema (é provável que não saia nada muito agradável ao ouvido, pelo menos no princípio, mas não custa nada tentar).
Outra coisa importante é observar a distancia que separa cada uma das notas na escala de Am. Note que a seqüência não é a mesma das escalas maiores. Os graus separam-se da seguinte forma:


I tom II semitom III tom IV tom V semitom VI tom VII tom VIII


O importante aqui é também que esta seqüência é a mesma em todas as escalas menores. Não posso, entretanto, deixar de mencionar que esta escala que está sendo chamada de menor é, na verdade, a escala menor natural. Existem outros tipos de escalas menores mas, isto é uma história um pouco mais longa.
Para que você se torne capaz de, sozinho, construir todas as escalas maiores e menores basta apenas mais uma informação, qual seja, a de que a forma mais adequada (e também fácil) de construir novas escalas maiores é a partir do V grau da escala maior anterior. Ou seja, partindo da escala C e, considerando que o V grau desta escala é G, a próxima escala maior deve ser a de G (sol maior). Isto tem um motivo que se tornará óbvio um pouco mais tarde. A escala de G poderia então ter a seguinte configuração: 

G   A   B    C  D   E   F   G



Digo poderia porque, na verdade não tem. Se não, então vejamos. Lembra que os intervalos que separam as notas nas escalas maiores são sempre os mesmos? Lembra quais são? Ok, lá vão outra vez: tom, tom, semitom, tom, tom, tom, semitom. Agora olhe a escala acima. A distancia que separa o I (G) do II grau (A) é de 1 tom; aqui tudo certo. A que separa o II grau (A) do III (B) é também 1 tom, logo não há problema. Também não há problema na separação entre o III (B) e o IV grau (C), que é de meio-tom, do IV (C) para o V (D), que é de 1 tom, ou do V (D) para o VI (E), que também é de 1 tom. Porém, pela seqüência de distancias das escalas maiores o VI grau deveria se separar do VII por 1 tom e o VII do VIII por 1/2 tom. Observe que na escala acima esta distancia é de 1/2 tom do V para o VI (de E para F) e de 1 tom do VI para o VII grau (de F para G). Isto é mais fácil de perceber se você estiver com uma guitarra nas mãos e olhar os esquemas da lição I. A conclusão é mais ou menos óbvia: se a seqüência de intervalos é a mesmo em todas as escalas maiores então, é preciso fazer com que as distancias da escala de G, acima apresentada, sigam esta seqüência. Como? Experimente aumentar o VI grau em 1/2 tom, ou seja, transformar o F em F# (fá em fá sustenido). A escala então ficaria assim:



I     II      III     IV     V      VI     VII     VIII
G    A      B     C     D       E     F#       G


Observe que, agora sim, os intervalos se mantém constantes e iguais aos estabelecidos para a escala de C. Em conseqüência disto surge porém 1 acidente na escala, que é um F#. 
E a relativa menor da escala de G então, qual seria? Isto mesmo, constroe-se a partir do VI grau. A escala menor relativa de G é, portanto, a de Em (mi menor), que possui a seguinte forma:

I     II      III     IV     V      VI     VII     VIII
  E    F#     G     A        B      C      D        E


Colocando as duas lado a lado teremos:


                                 (------------Escala de Em--------------)
G    A    B    C    D    E     F#    G    A    B    C    D    E
(--------------Escala de G-------------)


Da mesma forma que para a escala de C e sua relativa menor (Am), solos e improvisações podem ser feitos indiscriminadamente nas escalas de G ou Em, estando a melodia em qualquer um destes 2 tons.
E a próxima escala maior, qual seria? Certíssimo, a de D, que é o V grau da escala maior anterior, ou seja, o V grau da escala de G. Observe que para manter a seqüência de intervalos das escalas maiores (tom, tom, semitom, tom, tom, tom, semitom) é preciso incluir mais 1 acidente na escala de D (agora são portanto 2 acidentes), que é a seguinte:


I     II      III     IV     V      VI     VII     VIII
D    E      F#    G     A      B     C#      D


A relativa menor da escala de D, construída a partir do VI grau, é portanto Bm (si menor) que, também tem os mesmos 2 acidentes e mantem as distancias características das escalas menores separando cada nota. Ela tem, portanto, a seguinte forma:


I     II      III     IV     V      VI     VII     VIII
B   C#    D      E     F#    G       A       B


A próxima escala maior seria construída a partir do V grau da escala de D, ou seja, A (lá maior). Que tal tentar constrói-la sozinho? E sua relativa menor? Lembre-se sempre de que a relativa menor deverá derivar-se a partir do VI grau da escala maior e, que os intervalos que separam as notas de uma escala devem seguir as seqüências padronizadas, que são: tom, tom, semitom, tom, tom, tom e semitom para as escalas maiores e tom, semitom, tom, tom, semitom, tom e tom para as escalas menores. Procure observar também que, construindo escalas maiores a partir do V grau da escala maior anterior os acidentes vão aparecendo de forma gradual.


Escalas - Alguns Desenhos Básicos no Braço do Baixo



Agora que já vimos diversos aspectos teóricos relativos às principais escalas musicais, vamos nos concentrar em alguns pontos práticos, ou seja, em como localizar cada uma destas escalas no braço do instrumento. Felizmente existem alguns "desenhos" básicos de escalas. Por "desenhos" entendemos a seqüência de notas no braço do baixo que contem todas as notas que compõem a escala em questão. É importante lembrar que é esta escala (ou sua relativa) que deve ser utilizada para tocar uma música no tom desejado, ou seja, utiliza-se a escala de C (e/ou a de Am) para tocar uma música em C.
Eu diria que, de forma geral, 3 desenhos básicos devem atender a necessidade da maioria de nós principiantes. Na verdade a medida em que nos aprimoramos no uso do instrumento parece que o número cai, ao invés de aumentar. Alguns bons músicos já me disseram que baseiam todos, ou quase todos, os seus solos e improvisações em um único desenho, mais especificamente em um desenho menor semelhante ao que veremos abaixo como "segundo desenho".
Vamos, nos esquemas abaixo, assim como em todos os subseqüentes neste livro, utilizar a seguinte convenção (estou supondo que você seja destro e toque baixo na posição convencional):


1 = dedo indicador da mão esquerda,
2 = dedo médio da mão esquerda,
3 = dedo anelar da mão esquerda e,
4 = dedo mínimo da mão esquerda.

Para o primeiro desenho básico, que é um desenho maior, siga os seguintes passos:


1º. - localize, na 4a. corda (E), a nota correspondente a escala desejada - Enquanto você não souber todas as notas da 4a. corda utilize o esquema apresentado na lição I;
2º. - coloque o dedo 2 sobre o traste em questão;
3º. - siga a seqüência apresentada no esquema abaixo.



Desenho de escala.jpg



Se você der uma conferida no esquema apresentado na lição anterior vai descobrir que o dedo 2 na 4a.corda foi colocado sobre a nota C (8o. traste). Esta é, portanto, a escala de C. Se você mover este desenho como um todo para o inicio do braço da guitarra colocando, por exemplo, o 2o. dedo no 3o. traste, terá então a escala de G. E se o 2o. dedo for colocado sobre o 6o. traste e o mesmo desenho então repetido, que escala será obtida? Se você respondeu A# então, acertou. Caso contrário, sinto muito mas, leia tudo outra vez.


Para o segundo desenho básico, que é um desenho menor, siga a seqüência abaixo:

1º. - localize, na 4a. corda (E), a nota correspondente a escala desejada - Enquanto você não souber todas as notas da 4a. corda utilize o esquema apresentado na lição I;
2º. - coloque o dedo 1 sobre o traste em questão;
3º. - siga a seqüência apresentada no esquema abaixo.


Esquema escala.jpg


Dê outra conferida nas lições anteriores e você verá que esta seqüência corresponde exatamente a escala de Am. Ou seja, estas duas escalas apresentadas anteriormente no braço da guitarra correspondem a uma escala maior e sua relativa menor.
E se eu desejasse solar ou improvisar uma música cujo tom é Bm (ou D, lembre-se de que estas duas escalas são relativas)? Isto mesmo, basta repetir o desenho colocando o dedo 1 no 7o. traste e teremos a escala de Bm. E se o dedo 1 fosse colocado no 8o. traste e a seqüência repetida? Exatamente. Teríamos a escala de Cm. Acertou? Ótimo. Caso contrário, repita tudo outra vez. 
Muito bem. Se você lembrar do esquema contendo a escala cromática visto na lição I deverá notar que as mesmas notas repetem-se, porém em posições diferentes obviamente, também nas demais cordas. Desta forma, é possível também construir escalas a partir de qualquer uma delas. É interessante porém que vejamos um dos desenhos bastante comum de escalas maiores a partir da 3a. corda (A). Para construir estas escalas você deve seguir a seqüência abaixo:

. - localize, na 3a. corda (A), a nota correspondente a escala desejada - Enquanto você não souber todas as notas da 5a. corda utilize o esquema apresentado na lição I;
. - coloque o dedo 1 sobre o traste em questão;
. - siga a seqüência apresentada no esquema abaixo.

escala contrabaixo.jpg



Se você conferir as notas correspondentes a cada um dos trastes indicados verá que esta escala é também de C. E se você desejasse a escala de Eb, por exemplo, a partir de que traste, na 3a. corda, repetiria o padrão acima? Se respondeu a partir do 6o. traste acertou, caso contrário é melhor começar tudo outra vez.
Evidentemente estes padrões, como já mencionado, são apenas alguns com os quais você pode iniciar o estudo de escalas. Alguns outros vão inclusive aparecer em lições subseqüentes.




Dica de exercicio em escalas simples