Acordes Para Contra baixo

Acordes no Contrabaixo



Diferente da proposta de ensino de outros instrumentos, os acordes - quando se fala do baixo - raramente são foco dos planos de ensino de professores, sendo geralmente estudados apenas no formato de arpejos, ainda mais quando o instrumento empregado é o de quatro cordas. No entanto, há décadas, contrabaixistas de vários estilos vêm utilizando acordes nos seus instrumentos e divulgando bastante a técnica, como Abraham Laboriel, John Patitucci, Jaco Pastorius, Steve Harris, Steve Bailey, Arthur Mala, Nilton Wood, Chico Gomes e Arismar do Espírito Santo, entre vários outros.

Mas por que devemos estudar acordes no contrabaixo? São vários os motivos que podemos enumerar: evitar a monotonia de estar sempre na fundamental do acorde; abrir novas sonoridades possíveis em um arranjo; ampliar a compreensão sobre outros instrumentos que lidam com acordes; permitir um trabalho “solo” mais rico; colaborar para o estudo teórico de temas como campo harmônico, funções, análises, entre outros; desenvolver a percepção, que auxilia na escolha das notas mais apropriadas para determinado trecho e até mesmo pra tirar músicas de “ouvido”; deixar o som mais claro e limpo (para se trabalhar com três ou mais notas ao mesmo tempo é necessário atenção a esse quesito, que naturalmente é transportado para outras técnicas e execuções). Por fim, é uma maneira de tocar ainda pouco explorada pela maioria dos baixistas. 



 Saiba mais sobre o tema acordes no livro de Sergio Pereira Aqui.
Acordes para Contrabaixo.jpg

Conceitos de Acordes


Acorde é a combinação de três ou mais notas sendo tocadas ao mesmo tempo. É formado basicamente por três ou quatro sons separados na maioria das vezes por intervalos de terça maior ou menor. Arpejo é uma sucessão das notas do acorde, ou seja, são tocadas uma por vez. Tríade/tétrade e outros termos, como “tétrade com nota acrescentada”, estão relacionados ao estudo teórico e à divisão estrutural dos acordes.
Cadência é uma sucessão pré-estabelecida de dois acordes, ao passo que a progressão é o mesmo, só que com três ou mais acordes. Geralmente, as cadências e progressões definem uma tonalidade (dentro do sistema tonal). As sequências são quaisquer combinações de acordes, sem necessidade de coerência tonal ou quantidade dos mesmos.

Formação de Acordes Maiores
Formação de Acordes Maiores

música tocadas com acordes.jpg